terça-feira, julho 25, 2017

A França depois das legislativas (e uma nota final cinéfila)


Já passaram há mais de um mês, mas talvez pela segunda volta ter coincidido com o grande incêndio de Pedrógão passaram algo despercebidas entre nós. As eleições legislativas francesas quebraram o habitual panorama partidário francês, afundaram algumas das forças políticas mais tradicionais e deram uma maioria legislativa ao novo presidente Emanuel Macron e ao seu En Marche, que, recordemos, é um movimento centrista com pouco mais de um ano e de que até há pouco tempo se duvidava que fosse sequer apresentar-se às legislativas, dadas as dificuldades organizativas e em arranjar candidatos. Mas na senda da robusta vitória presidencial de Macron, o agora denominado Republique en Marche posicionou-se ao centro, baralhando os equilíbrios ideológicos, e pescou ao centro-esquerda e ao centro-direita, para além de ter recebido o apoio do MoDem de François Bayou, um experiente nestas lides que transporta consigo parte do legado da antiga UDF. Sem eleger a enormidade de deputados que se chegou a prever (algumas sondagens davam-lhe mais de 400), conseguiu ainda assim uma maioria absoluta de 350 lugares em 577. Depois do Eliseu, Macron ganhou o Palais Bourbon e pode seguir com o seu projecto para a França.

Resultado de imagem para republique en marche legislatives

Quanto aos outros partidos, a direita tradicional dos Republicains, depois da desilusão Fillon, aguentou-se a custo e permanece como segundo partido parlamentar. Mas a temível máquina partidária sofreu algumas pannes, e vários foram os elementos que trocaram o partido gaullista pelo de Macron, a começar pelo novo primeiro-ministro, Édouard Philippe. Terá o papel algo ingrato de  principal oposição a Macron quando há matérias em que provavelmente até estarão de acordo, e de manter o legado do  mais forte ideário político francês do último meio século.

A Frente Nacional confirmou a estagnação. Depois do terço de votos conquistado nas presidenciais. Le Pen não está muito certa do caminho e só espera que as coisas não corram bem a Macron, numa arriscada estratégia de "quanto pior, melhor". Não pode fazer muito mais. Apesar disso sempre conquistou oito lugares no parlamento, incluindo o da própria Le Pen, o que é um progresso tendo em conta os eternos um ou dois que obtinha normalmente, tendo em conta o sistema uninominal francês.

A France Insoumisse do agora principal representante da esquerda radical, Jean Luc Mélenchon, está numa situação idêntica. Não tendo tido um resultado extraordinário, obteve dezassete lugares numa eleição em que concorreu separado dos comunistas, seus habituais aliados. O velho PCF, que ganhou as primeiras eleições do pós-guerra, ficou-se pelos dez deputados e por uma votação baixinha.

O maior derrotado da contenda é, como já o tinha sido nas presidenciais, e como todas as sondagens indicavam, o PSF. O partido de Mitterrand, de Delors e de Hollande passou de primeira para quinta força política, perdeu mais de 20% dos votos e mais de 280 lugares. Os seus rostos principais não conseguiram sequer ser eleitos. É uma derrota estrondosa de um partido histórico a que muitos já vaticinavam a decadência, e que, tal como o PASOK grego, parece ir a caminho da irrelevância. A atestá-lo está o facto de Benoit Hamon, o candidato socialista das presidenciais de Abril último, ter anunciado a saída do partido para fundar um novo movimento. Se Manuel Valls pretendia o fim do velho PS e o surgimento de algo novo, então parece ter acertado em pleno.  

E só para demonstrar como a velha ordem partidária se desmoronou, assinale-se que nos anos oitenta o PS e o PCF, quando socialistas e comunistas se coligaram, tinham mais de 50% dos votos. Agora, em conjunto, não chegam aos 10%.

Resultado de imagem para pcf ps

Mas nem tudo são rosas para o novo poder executivo de Macron: logo a seguir à segunda volta das legislativas, e quando o governo tinha apenas um mês, quatro ministros foram exonerados por causa da velha questão de aproveitamento de dinheiros europeus para financiamentos partidários. Entre eles encontrava-se François Bayrou, ministro da justiça, líder do MoDem e aliado preferencial do En Marche.

Uma nota curiosa: felizmente para os cinéfilos que a primeira sangria governamental se ficou por aqui e que não atingiu o ministro do ambiente, o carismático Nicolas Hulot, antigo apresentador do programa de televisão Ushuaia. O apelido pode parecer familiar, e não é por acaso: é que o avô de Nicolas, um arquitecto ao que parece distraído, que provavelmente fumava cachimbo e envergava sobretudo e chapéu, era vizinho do realizador Jacques Tati, que nele se terá inspirado para compôr a famosa personagem Monsieur Hulot, o inesquecível protagonista de Playtime, Mon Oncle e As Férias do sr. Hulot, interpretado pelo próprio. Assim, o governo francês conserva um traço de um dos monstros do cinema do Hexágono, e logo no campo da comédia. Sempre ajuda a aliviar futuras tensões governamentais, embora seja duvidoso que Macron se tenha lembrado desta.

Imagem relacionada


quarta-feira, julho 12, 2017

O partido auto-anti-comunista


A manifestação de há dias promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação a favor do regime da Venezuela, constituído sobretudo por pessoas conotadas com o PCP (com Ilda Figueiredo e João Oliveira à cabeça) levou-me a pensar que o partido de Jerónimo tem uma certa vergonha do seu nome e da sua sigla, senão vejamos: só por duas vezes (nas eleições para a Constituinte e nas seguintes, em 1975 e 1976) é que o PCP se apresentou a votos com nome próprio. Seguiram-se a FEPU e a APU, com a presença servil do MDP-CDE, e quando este último ganhou algum brio e se separou, a CDU, que dura até hoje, com essa célula que nunca concorreu sozinha a umas eleições conhecida como "Os Verdes" e um resquício do MDP chamado Intervenção Democrática e que apenas é conhecida por se ter apoderado do nome da revista Seara Nova (que já nada tem a ver com a antiga).




Depois, as intervenções esporádicas deste Conselho Português para a Paz e Cooperação )CPPC), uma organização "pacifista", que chegou a ser presidida por Costa Gomes, e que curiosamente só se manifesta contra guerras e conflitos na parte a que diz respeito aos Estados Unidos, NATO e Israel. A título de exemplo, veja-se o último naco de prosa publicado, em que acusa os EUA, Israel, etc e se defende o regime de Assad e as respectivas "forças patrióticas" (onde é que já ouvimos isto?). A posição do PCP em assuntos externos, sem tirar nem pôr, e com a mesma linguagem.

E depois, claro, temos a CGTP, a poderosa e intersindical, o braço do PC nos sindicatos, que apesar de teoricamente acolher "outras tendências", a fazer lembrar os partidos políticos autorizados da RDA só para fazer número, representa a Soeiro Pereira Gomes nos sindicatos, embora haja quem garanta que é o inverso. Por alguma razão os seus coordenadores são sempre comunistas (Carvalho da Silva afastou-se entretanto do partido). A linguagem, os slogans e palavras de ordem, os símbolos, e a sua perenidade, vão todos na linha do PCP. É a maior influência do partido na sociedade portuguesa, talvez com alguma "concorrência" das numerosas autarquias que detém 



Apesar disso, o PCP só aparece com nome próprio nos congressos, num ou noutro comício e nas jornadas parlamentares. De resto, concorre sempre a eleições sob o manto da CDU, manifesta-se contra "a guerra" e as "agressões imperialistas" passando por ser o CPPC e organiza greves e "jornadas de luta" com a sigla da CGTP. Dir-se-ia, apesar de todo o passado de oposição ao Estado Novo, dos quase cem anos de existência e do prestígio que ainda mantém em certas zonas do país e sectores profissionais, que tem vergonha da sua sigla e do seu símbolo. Ainda receará a memória do 25 de Novembro e do que esteve para acontecer? Terá fundado medo que a queda do comunismo em quase todo o mundo traga repercussões graves se se apresentar com nome próprio, mesmo que ainda haja pudor em relembrar os crimes dos seus camaradas de outros países? Seja como for, tão grande e longeva camuflagem partidária é estranha. Como se apesar de gabar tanto a sua história, o PCP tivesse algum pudor inconfessável. E que pelo menos no que toca ao nome e aos símbolos, seja também um pouco auto-anti-comunista.