sábado, agosto 05, 2017

Época a abrir


Aí está, a nova época 2017-2018, a abrir com a supertaça. O ano futebolístico começa cedíssimo, mesmo tendo em conta que há Mundial em Junho. Antigamente a coisa só tinha início em meados do mês, e o campeonato começava por altura dos meus anos. Ainda me lembro dos anos em que ficava surpreendido com as ligas francesas, ou outras, começarem em princípios de Agosto. Mais uma moda estrangeira que chegou a Portugal.

É inútil escapar ao óbvio: com as vendas de Ederson, Lindelof e Semedo o plantel do Benfica está indiscutivelmente mais fraco. É verdade que a entrada de Seferovic e Krovinovic fortaleceram lá à frente, mas a defesa é um autêntico remendo. Bem podem dizer que "o que há basta para consumo interno, o pior é lá fora". Pois não, não basta. No ano passado o Benfica já não ganhou com grande folga, por isso não é este ano as coisas não serão melhores. A baliza está confiada a um veterano de grande qualidade mas que já demonstra o peso dos anos e que tem lesões frequentes, a outro veterano que nem se sabe se fica e uma promessa que voltou passado um ano e que precisava de mais algumas épocas de experiência. No centro da defesa temos um Luisão com 36 anos e que não é eterno, um Jardel de 31 que passou a época passada quase toda na enfermaria e um Lisandro que parece que tem desaprendido de jogar, fora duas muito jovens incógnitas. E se o lado esquerdo está assegurado, à direita temos um verdíssimo Pedro Pereira que parece acusar a responsabilidade e o bombeiro André Almeida, que pode tapar alguns fogos mas não dá para tudo. Ou seja, três posições a preencher, iso sem contar que as lesões no plantel são frequentes e Fesjsa nem sempre está bem (e Samaris ainda pode sair).

Falou-se na pré-época ruim do Benfica. Mas nem é isso que me preocupa. As pré-épocas pouco têm a ver com as temporadas propriamente ditas, e a comprovar recordemos uma goleada sobre o Real Madrid no tempo de Jesus, que depois deu em nada, os 5-1 sofridos do Arsenal (este ano foram 5-2) antes de mais um título, ou a pré-temporada desastrosa de André Villas-Boas quando tomou o comando do Porto...Tenho mesmo para mim, que o normal é serem inversamente proporcionais. O que preocupa mesmo são as contratações necessárias. Entre os nomes avançados, agradou-me o do holandês Cillesen e pouco mais (fala-se de um Douglas, vindo do Barcelona, que pela que mostrou pode ser  uma espécie de Okunowo, lembram-se?). Provavelmente o Benfica está à espera dos últimos dias do mercado, para aproveitar as oportunidades. Houve um ano em que entraram de enfiada, no fim do prazo, Jonas, Samaris e Júlio César, que asseguraram o título. Mas nem sempre as coisas correm como o previsto, e não se podem descurar as primeiras jornadas e o entrosamento necessário. Por isso, espero que as entradas não demorem assim tanto. E que venha o Penta, claro, e se for possível já a supertaça.

sexta-feira, agosto 04, 2017

Técnicas de combate ao turismo


Não aprecio lá muito ver hordas com o uniforme de turista tão evidente (calções, mochila de variado tipo, boné de pala e um mapa que não sabem ler nas mãos), ou a entrar de chanatas no Café Majestic. Mas não deixa de ser curioso que, praticamente no mesmo dia em que se lançam grandes debate sobre a "turistificação em excesso", as formas de restringir ou mesmo de combater o turismo (até de forma violenta), surja também a notícia de restaurantes que exploram os turistas mais incautos a preços abjectos. Afinal quem é que prejudica quem? Grande falta de sentido de oportunidade, no mínimo.