segunda-feira, janeiro 16, 2017

Treze


Treze é um número aziago. O número do azar, da má fortuna, de dias temerosos que impõem receios, de crenças mais ou menos infundadas, de tradições obscuras e bruxarias imaginadas. E também é o número de anos em que eu ando nisto. Este blogue faz esta noite treze anos (não sei ao certo a que horas nasceu, mas por esta altura em que escrevo, e precisamente no quarto onde me encontro), e como tal entra na adolescência. Como se sabe, é a pior das idades. Não fiquem espantados se houver manifestações próprias da "idade do armário".
Resultado de imagem para 13

Interrogações com resposta vaga


Há os desaparecimentos públicos e depois há os que, não sendo de notoriedades, nos são mais próximos. A grande diferença para os primeiros é que não temos um resumo da sua vida, as suas memórias ou as suas imagens ali à mão de semear. E aí temos de ser nós a ir buscá-las, a recordá-las com os outro, a comparar recordações e a trocá-las, como cromos de uma caderneta que no fundo é a biografia do que nos deixou.
As memórias privadas são mais íntimas e mais valiosas, e não apenas por causa do evidente valor de proximidade. São-no porque exigem um trabalho de busca e de rememoração que trabalho jornalístico algum, por mais bem feito e intencionado que seja, nos pode dar.

E que fazer quando o desaparecimento atinge uma pessoa na força da idade, de que se diz que tanto poderia dar ainda e que para mais marca aqueles que a rodeiam? Como é que se reage? Como é que aqueles que estão próximos podem preencher o vazio? Quando morre alguém de idade avançada fica a tristeza do momento, a enumeração das suas virtudes, a saudade. Mas nunca é exactamente visto como uma tragédia. Quando desaparece alguém mais novo, há a sensação natural de que uma missão no Mundo ficou por cumprir, e um enorme e doloroso sentimento de perda. Mesmo para quem crê e que sabe que a morte física é apenas uma passagem para algo de diferente.

O tempo apaga a dores, dizem. E se não apaga atenua-as. As recordações mais preciosas ajudam também. A seguir em frente, na vida de todos os dias. Nunca gostei muito dessa frase tecnocrática e prosaica -  "a vida continua" - mas em parte é verdade, para os que vão ficando. A vida continua amparada na passagem do tempo, nas recordações e na convivência com o(s que nos são) próximo(s). E na crença de algo superior e na sua sagrada promessa de uma existência diferente e melhor, em que mesmo os mais cépticos no fundo crêem. O resto são as interrogações naturais que esta frágil espécie se coloca desde sempre e para sempre, sem chegar a qualquer conclusão material em vida terrena, por muito que a ciência, em vão, o tente. 

quarta-feira, janeiro 11, 2017

Outros desaparecimentos


E enquanto se carpia Mário Soares, partiam também Guilherme Pinto e Daniel Serrão. A notícia maior eclipsou um pouco as suas mortes, talvez por não serem muito inesperadas. Pinto tinha justamente renunciado ao cargo de presidente da câmara de Matosinhos, que só teria efeitos a parir de Fevereiro, e não resistiu a ma doença cancerígena que já o afectava há anos. Anda conseguiu refiliar-se no PS, ele, que em 2013 tinha reconquistado a câmara com maioria absoluta e estatuto de independente, depois de uma lamentável jogada do aparelho socialista local. Conheço pessoas que lhe devem a sua (boa) situação habitacional e que certamente não o esquecerão. Um bom autarca que parte cedo demais.
Também a morte de Daniel Serrão não constituiu propriamente surpresa. Estava bastante fragilizado desde o estúpido atropelamento de que fora vítima, há dois anos. Serrão, que era de Vila Real com a minha família e vivia no Porto tal como eu, será sobretudo recordado como o grande pioneiro e divulgador da bioética em Portugal e até a nível internacional, e um exemplo de como se pode reunir harmoniosamente a ciência e a fé religiosa.

E para além disso, desapareceu também Zygmunt Bauman, um pensador que bem merece ser lido na época efémera e precária em que vivemos. E para além de Mário soares, também morreram outros dois ex-chefes de estado dos anos 80-90: Roman Herzog, antigo presidente da Alemanha, e Rafsanjani, o antigo presidente iraniano que ajudou a desanuviar a regime dos ayattolahs. Fará provavelmente falta aos sectores mais contestatários da teocracia iraniana. Para já, 2017 não deve nada a 2016.

terça-feira, janeiro 10, 2017

Mário Soares 1924 - 2017


Nunca é fácil resumir o epitáfio do político que representa o regime em que vivemos e o mais representativo do nosso país no último meio século. Mas para começar, Mário Soares é daquelas personalidades que faz parte do meu imaginário desde sempre e que não me lembro de não conhecer. Era ainda pequeno mas soletrava os políticos que conhecia e que eram na altura os mais relevantes do país: Soares (o "bochechas"), Eanes (o "rameanes"),  Balsemão (o "balsas"), o Freitas e o Cunhal. Destes cinco, três ainda estão vivos. Recordo-me ainda de outros, como Mota Pinto, mas os principais eram mesmo aqueles.

Resultado de imagem para mario soares fonte luminosa

 
Mário Soares era uma personagem de paixões, e que provoca ele mesmo paixões e ódios. E é, ao mesmo tempo, uma personagem atípica: foge à austeridade que caracteriza boa parte dos políticos portugueses (desde os da 1ª república e da "ética republicana", passando por Salazar, até Cunhal, Cavaco, Eanes e mesmo Passos Coelho), era um bon-vivant, um optimista, não era um mouro de trabalho nem nunca se preocupou em dar essa imagem, nunca se destacou como um aluno brilhante nem por trabalhos académicos e intelectuais, apesar de ter uma enorme bagagem literária, e teve sempre grande empatia com as massas.

Resultado de imagem para mario soares tartaruga

 
Todas essas características fazem dele uma personagem à parte na política portuguesa. A isso será sempre obrigatório juntar-lhe Maria Barroso, que esteve quase setenta anos ao seu lado, que se tornaria na Primeira Dama mais popular entre os portugueses, e cuja perda, há ano e meio, contribuiu visivelmente para o seu declínio.

Resumamos o seu percurso: filho de um ministro republicano católico, fundador do Colégio Moderno, ainda hoje pertencente à família, chegou a pertencer ao PCP, participou nas campanhas do MUD, conheceu Norton de Matos, Humberto Delgado e Jaime Cortesão, esteve preso várias vezes (casou-sena prisão, por procuração), chegou a ser deportado para S. Tomé e acabou por se estabelecer em Paris, onde conheceu inúmeras figuras internacionais ligados à Internacional socialista, como Mitterand, Willy Brandt, Felipe González e Olof Palme. Pelo meio fundou a Acção Socialista Portuguesa, que daria origem, em 1973, ao Partido Socialista. Voltou a Portugal na sequência do 25 de Abril, conseguiu tornar o PS num dos principais actores políticos do momento, e depois de algum tempo de manifestações comuns, dá-se o afastamento em relacção ao PCP, agravado com a radicalização da situação, o 11 de Março e o caso do jornal República, ligado ao PS. Realizam-se as eleições para a Assembleia Constituinte, que o PS ganha claramente, deixando o PCP e restantes satélites com resultados muito abaixo do esperado, mas nem por isso abrandando o PREC. Soares encarna a resistência na rua ao governo de Vasco Gonçalves e ao crescente domínio do PCP e dos militares esquerdistas, com grandes comícios como o da Alameda, em Lisboa, e das Antas, no Porto, que mostraram que nem todo o país pretendia uma "democracia popular", como aliás as urnas o demonstraram. Ainda em Novembro, com garantias de protecção dos Estados Unidos (onde Kissinger achava que Portugal seria a "Cuba da Europa"), Soares realiza novos comícios antes da tentativa de golpe da extrema-esquerda, sufocada pela reacção dos comandos e dos militares moderados a 25 de Novembro. com a situação normalizada, Soares assumiu o cargo de Primeiro-Ministro depois de ganhar as eleições de 1976. Com a economia de rastos e sem maioria parlamentar, teve chamar o FMI e de ensaiar várias soluções governativas, antes das iniciativas presidenciais o tirarem do governo. Seguiram-se os conflitos internos por causa da sua recusa em apoiar Eanes para novo mandato, a derrota perante a AD de Sá Carneiro, até ao regresso às vitórias em 1983, e a necessidade do acordo do bloco Central, de nova vinda do FMI e de dois anos de pesada austeridade, culminando na adesão à CEE, um dos grandes objectivos de Soares. A esse triunfo seguiu-se a derrota mais pesada, com o PS a obter apenas 20%, pouco mais que o novo PRD inspirado por Eanes, e que permitiram a Cavaco Silva e ao PSD formar o seu primeiro governo. Depois, o combate mais condenado à partida que já houve em Portugal nas últimas décadas: Soares lançou-se às presidenciais de 1986 com apenas 8% de intenções de voto, contra Freitas do Amaral, apoiado pelo CDS e PSD, que congregava toda a direita, o seu velho ex-amigo Salgado Zenha, apoiado por PCP e PRD, e Maria de Lurdes Pintassilgo, apoiada por parte da esquerda. Acabou por suplantar os dois últimos, obrigou Freitas a ir à segunda volta, obrigou Cunhal a engolir um "sapo" e a votar nele, e venceria com ligeiro avanço, transformando uma derrota certa numa vitória quase impossível. Vieram depois os dez anos presidenciais, a coabitação nem sempre fácil com Cavaco (a quem de certo modo deu a sua primeira maioria absoluta), o estilo régio combinando com à vontade nos meios populares, e uma imensa popularidade que levou a que o próprio PSD o apoiasse na reeleição onde ganhou com incríveis 70%. Acabada a presidência, Soares tornou-se um senador sempre interventivo, voltando ao combate político como cabeça de lista pelo PS ao Parlamento Europeu nas europeias de 1999, que venceria, e já mais tarde, depois de aos oitenta anos pronunciar um sonoro "basta de política", resolveu lançar-se numa inglória corrida de novo à presidência da república, aos 81 anos e contra o apoio da família e amigos, contra Cavaco Silva e o anteriormente amigo Manuel Alegre, culminando num modesto terceiro lugar. Seguiram-se anos de intervenção política, os últimos já penosos, em que verificou uma guinada à esquerda e severas contradições com o que tinha defendido em tempos. Mas a importância política de Soares tinha ficado lá atrás.

Este homem teve inúmeras qualidades, como a coragem, o optimismo, a determinação inquebrantável, o à vontade e a absoluta recusa em agradar a gregos e troianos, o apego à liberdade e a lealdade aos amigos. E também muitos defeitos, como a arrogância política e imenso sentido de superioridade (para não ir mais atrás recordo os debates com Cavaco em 2006), inabilidade executiva, desconhecimento de dossiers, desprezo pela coisa pública, com se viu com os montantes gastos na pós-presidência e na sua fundação, e...excessiva lealdade aos amigos, alguns deles de duvidosa credibilidade (Craxi, Sócrates, Andrez Perez, mesmo Mitterand). Este homem não deixou ninguém indiferente, e é talvez o político mais amado e odiado dos últimos cinquenta anos. Se por um lado teve inúmeros amigos, por outro arranjou outros tantos inimigos - Marcelo Caetano, Cunhal, Eanes (com quem faria as pazes), Cavaco, e, a mais dolorosa, Salgado Zenha, outrora um amigo inseparável e com quem nunca conseguiu reconciliar-se. O que significa que deixou uma forte marca e que era realmente um político total, em todo o sentido da palavra. Pôde-se ver agora, por um lado nas imensas cerimónias de estado, nas declarações de líderes estrangeiros e na imprensa internacional, na emoção das pessoas à passagem dos restos mortais; mas também nas redes sociais, com o seu habitual lavar de roupa suja, declarações de ódio e acusações de toda a sorte, algumas completamente absurdas - culpas totais na descolonização (coisa aliás desmentida por pessoas como D. Duarte de Bragança, que afirmou que Soares merecia ir para o Panteão Nacional, ou Ribeiro e Castro, no caso particular de Moçambique), morte de Sá Carneiro, e até uma verdadeira e feliz - o fim da revolução - e outras que provavelmente só com o tempo poderão ser validadas ou descredibilizadas.

Este homem com imensos defeitos é provavelmente o principal responsável por Portugal ser um país livre e pertencente por direito próprio à União Europeia. Mesmo por todas as questões em que discordei dele, e nos últimos anos foram quase todas, não deixarei de lhe agradecer. Se discordo dele publicamente, a ele sobretudo se deve.

Resultado de imagem para mario soares funeral

 
Soares entrou justamente na História de Portugal com um relevantíssimo papel. Está para a 3ª República como Afonso Costa para a 1ª e Salazar para o Estado Novo. Com uma diferença essencial, para além de outras também importantes: ganhou esse papel com o voto dos portugueses e não impondo-se a eles. Eis o que diferencia o "Bochechas" dos outros. E isso é realmente fixe.
 
Que descanse em paz.

quarta-feira, janeiro 04, 2017

Bodas de prata de uma discografia excepcional


Resultado de imagem para 1991

Já estamos em 2017, mas como o ano mal começou e não há ainda grande história, lembrei-me que 2016 tinha sido um ano de bodas de prata para uma época incrível da música pop-rock, sobretudo a do outro lado do Atlântico, e que valia a pena fazer um apanhado.

Em 1991, já há 25 anos, em que Portugal entrou assistindo ao Crime na Pensão Estrelinha, que em poucas horas revelou um par de criações fantásticas de Herman José, foram lançados uma quantidade rara de álbuns que entraram para a história do pop-rock. Começo pelos meus favoritos: Out of Time, onde se insere a hipnotizante Losing My Religion, levou os REM ao grande público, à venda de milhões de discos e a um patamar reservado aos nomes maiores do rock americano, de onde não mais sairiam (e que confirmariam um ano depois, com o muito diferente mais genial Automatic for the People).


Também os U2 fizeram aqui uma viragem na carreira, até de imagem, com o seu Achtung Baby, influenciado, como o próprio nome indica, por Berlim, um disco ligeiramente mais electrónico que os anteriores, menos "militante", ou menos espiritual, mais virado para a mediatização contemporânea, seguido de digressão sofisticada e feérica. Nem por isso deixou de vender milhões em todo o mundo.

E depois, claro, 1991 é o ano do aparecimento súbito do grunge, com os Nirvana à cabeça de um esquadrão de grupos, de Seattle e não só, que ganhou notoriedade sob o uniforme desse subgénero do rock menos polido, mais cru, sem laivos de romantismos charoposos ou metalices inconsequentes. Kurt Cobain quis fazer uma canção "à Pixies", de quem era fã, e saiu Smells Like Teen Spirit, que rebentou pelas MTV fora e levou Nevermind a um dos discos mais idolatrados, vendidos e estudados desses anos. Atrás dele vieram Ten, portentosa estreia dos Pearl Jam, que se tornaria numa das maiores bandas rock das duas décadas seguintes, Badmotorfinger, dos Soundgarden, e, mais discretamente, um disco, Gish,  de um grupo que daria muito que falar poucos anos depois: os Smashing Pumpkins. E curiosamente, os Pixies, que tanto influenciaram Kobain, também lançaram o seu Trompe leMonde, mas nem de longe nem de perto com tanto impacto comercial, ainda que tenham continuado a ser um grupo de culto.

Também nos Estados Unidos, os Metallica levaram o seu Black Album a números e a um êxito junto do público que o heavy metal até aí não tinha conhecido. Deixava de ser um nicho de mercado para passar a ser música de estádio para as grandes massas (ou que não significou necessariamente falta de qualidade, mas algumas "baladas" como Nothing Else Matters ajudaram a chegar a novos públicos).

E também o funk rock ganhou nova visibilidade com o enorme êxito que Blood Sugar Sex Magic, a opus dos Red hot Chili Peppers (até Californication), teve em todo o Mundo, não só nesse ano como nos seguintes, com os riffs mágicos das guitarra em refrões de músicas como Give It Away ou no início de Under the Bridge.

E depois, aquela que era provavelmente a banda mais popular do mundo no início da década não podia ficar de fora. Os Gun´s Roses, pois claro, lançaram não um, mas dois álbuns ao mesmo tempo, Use Your Ilusion I e II, que como não podia deixar de ser, treparam as tabelas de vendas. Aos singles, entre os quais algumas baladas longuíssimas, como November Rain e Don´t Cry , tinham videoclips com  pretensiosismo q.b.. E não faltava também um cover, Knockin on Heaven´s Door, um original de Bob Dylan que se ouvia por toda a parte no Verão de 1992. Mas os Gun´s tinham crescido em demasia, e a esse tempo seguiu-se uma travessia no deserto, com zangas entretanto sanadas (vêm actuar a Portugal daqui a meses com a composição quase original).
 
E para dominar todos os tops, cereja em cima do bolo, também Michael Jackson regressou, anos depois de Bad, com o seu Dangerous e os seus videoclips com actores da moda, e Prince lançou Diamonds and Pearls.
 
Ou seja, dos Estados Unidos não faltou quase ninguém.

No Reino Unido não houve tantos lançamentos de monta, mas também surgiram alguns destaques. Ouvia-se sobretudo o insuportável Stars, dos Simply Red, mas nesse ano apareceram os Blur, com Leisure, ainda ligeiramente shoegazing, mas já a prenunciar a britpop. E os Primal Scream lançavam Screamadelica, com o seu rock dançável ligeiramente psicadélico. Os Genesis regressaram com o bem disposto e comercialmente bem sucedido We Can´t Dance, os Dire Straits editaram On Every Street, sucessor do monstruoso êxito de guitarras que fora Brothers in Arms. E no fim do ano despedia-se Freddy Mercury, depois dos Queen terem lançado o último álbum em vida do seu vocalista, Innuendo, e ainda a tempo de ver o seu Greatest Hits editado.

E por cá? Rui Veloso lançou o Auto da Pimenta, mas Mingos e Samurais, do ano anterior, ainda ecoava e acabou por ser um dos álbuns mais vendidos de 1991. De resto, saliente-se a estreia dos Resistência, e pouco mais. O que quer dizer que, inversamente ao que aconteceu nos Estados Unidos, a discografia pop-rock portuguesa em 1991 é muito curta. A diferença de dimensão não explica tudo. Mas os anos seguintes seriam melhores.

sábado, dezembro 31, 2016

Adeus a 2016


E já agora, ficam os desejos de bom ano a todos. Não considero que 2016 tenha sido um ano especialmente bom (e algumas das suas consequências virão já em 2017), mas teve alguns momentos inesquecíveis. e claro, consegui escrever mais posts do que em 2015. Que 2017 seja um ano melhor, ou que pelo menos traga alguns momentos de grandeza idêntica como os que vivemos neste quente Verão de 2016.




Bom ano a todos.

2017, um ano arrasador para realizadores de cinema


Nas habituais revistas do ano, é sempre exibida a necrologia. Este ano, como era de esperar, ressalta o desaparecimento de músicos de vulto, como David Bowie, Prince, Leonard Cohen, e agora, já no dia de Natal, para o qual ironicamente tinha escrito uma celebérrima e orelhudíssima música, George Michael, de quem nunca fui especialmente fã mas que era sem qualquer dúvida um músico talentoso e inteligente. E ainda poderíamos acrescentar Pierre Boulez ou mesmo o Coro do Exército Vermelho, desparecido na sua maioria há dias num desastre de aviação no Mar Negro, e a quem referi aqui precisamente no último dia de 2014.

Mas se na música tivemos um ano negro, o cinema não tem menos razões de queixa. Talvez tenha passado mais despercebido, mas a quantidade de realizadores que morreu em 2016 é considerável. Assim, lembro-me de Michel Cimino, Abbas Kiarostami, Jacques Rivette, Hector Babenco, Curtis Hanson,  e até Gary Marshall (o realizador de Pretty Women). E nestes últimos dias, desapareceu Carrie Fisher seguida da sua mãe, Debby Reynolds.

Torçamos para que 2017, em termos cinematográficos, seja melhor. E noutras áreas também. Para começar, já aí está o último do bom e velho Kusturica, com a presença suplementar e sempre apreciada da nóvel cidadã lisboeta Monica Bellucci. Já é um bom começo.


Resultado de imagem para kusturica milky road

A praga das virtudes privadas


Entre o Natal (que espero que tenha sido bom para todos os leitores) e o Ano Novo, os "acontecimentos do ano" substituem as notícias. são um autêntico maná para muita comunicação social, porque permite algum descanso: não é preciso estar-se atento a todas as notícias e manchetes, basta ir-se fazendo uma síntese do ano que acaba nas suas várias dimensões. Se o trabalho de casa for feito ao longo dos meses, nem será um período muito trabalhoso.

Mas a verdade é que o país abranda mas não para. E assim temos também os habituais faits-divers da terra. Esta semana, tivemos as frases de Augusto Santos Silva numa confraternização do PS, comentando com Vieira da Silva, em tom jocoso, que o acordo de concertação social para o aumento do salário mínimo "parecia uma feira de gado". Bastou um jornalista mais manhoso (e ainda por cima o inefável Moura-Pinto) e um microfone suficientemente perto para a notícia ecoar e estalar a "polémica", onde não faltou até quem pedisse a demissão do ministro. Que não teve lugar, claro, mas qua ainda assim não escapou a um pedido de desculpas. E para efeitos de comparação, a situação é bem diferente da de João Soares, que proferiu as suas ameaças para todos os que o pudessem ler.

Uma das praga dos nossos dias é esta constante intromissão no que as pessoas dizem ou deixam de dizer ou de pensar fora do âmbito dos seus cargos públicos. Com a tecnologia e as redes sociais, ninguém está a salvo. E temos uma opinião pública muito pouco esclarecida, que cada vez mais confunde o público com o privado. A influência desta lamentável confusão é, muito provavelmente, fruto da cultura protestante anglo-saxónica (e não só: não é por acaso que os programas como o Big Brother nasceram na Holanda), e do seu puritanismo avassalador, procurando sempre os pecadilhos da vida privada. Vê-se no Reino Unido, com a imprensa tabloide e as revistas de mexericos, mas sobretudo nos Estados Unidos e a devassa total com laivos de moralismo exacerbado (quem não se lembra da perseguição enxovalhante a Bill Clinton em finais dos anos noventa?). Uma coisa que até há pouco tempo não tínhamos por cá. Mas com o telelixo, as redes sociais mais as suas frases "indignadas" e mal escritas de gente que acredita mais em sites manhosos de teorias da conspiração e uma espécie de moralismo para quem é indiferente o aborto mas que fica em brasa com piadas entre amigos, ninguém mais está seguro. O cúmulo aconteceu há pouco tempo, quando um qualquer grupo LGBT espanhol quis uma investigação para saber se um jogador do Atlético de Madrid tinha chamado "maricas" a Cristiano Ronaldo num habitual bate-boca a maio do jogo.
 
Bom seria que a próxima vítima apanhada numa fala mais politicamente incorrecta num momento privado e que seja apanhado por um qualquer microfone indiscreto admitisse não só o que disse, mas o reafirmasse a se recusasse a pedir desculpas. Só assim se pode travar esta mania sufocante, sinistra, da confusão entre vida privada e pública. Que em 2017 haja muitas reacções assim.

quinta-feira, dezembro 22, 2016

Bisalhães, Património Cultural da Humanidade


Sabiam que os barros negros de Bisalhães, arredores de Vila Real, são desde há dias Património da Humanidade, classificação da UNESCO? A notícia passou algo despercebida, mas é verdade. Esta louça transmontana, que data de há séculos e que hoje em dia tem apenas meia dúzia de artesãos envelhecidos, que vendem a sua arte à entrada da cidade, tem agora estatuto de Património cultural da Humanidade e goza de maior protecção, nomeadamente de incentivos e formação na arte (embora a verdadeira instrução passe de pai para filho, ou de mestre para aprendiz). As noites de S. Pedro vão poder continuar a exibir a feira dos pucarinhos, com a louça negra a bordejar o largo da barroca Capela Nova. Pode parecer exagerado tanto património mundial, o que a prazo levará a um igualitarismo inconsequente, mas a verdade é que este país não é só fado, cante ou chocalhos.

sexta-feira, dezembro 16, 2016

Recordações e curiosidades dos mancusianos em Portugal

A recordação de concertos dos Pixies e Cure levou-me um que vi dos James, há dois anos, por esta altura, no pavilhão multiusos de Guimarães, por ocasião do início das festas Nicolinas. Não era a primeira vez que os via, não achei que tivesse sido o melhor concerto da minha vida, embora o público tivesse enchido o recinto, mas teve a sua piada. Não tanto, provavelmente, como o outro que tinha havido na véspera, em que a banda inglesa, muito habituada a vir a Portugal (e que até tem elementos a viver cá na terra), tinha dado em pleno átrio da estação S. Bento

Os James, de Manchester, são uma banda com mais de trinta anos e com uma discografia de respeito. Nos seus primórdios, Morrissey disse serem o melhor grupo do Mundo, mas ficaram aquém do que valiam. Talvez por serem perseguidos por duas estranhas maldições: uma é a de que (defendiam eles) os títulos dos álbuns se reflectiam na vida da banda, pelo que decidiram fazer um chamado Millionaires (embora as vendas nem tivessem sido nada do outro mundo). A outra é a de que alguns grupos que fizeram as primeiras partes dos seus concertos acabariam por se tornar maiores do que os James. A lista é elucidativa: Nirvana, Radiohead, Coldplay, Stone Roses (aqui a "grandeza" de um grupo que só lançou dois álbuns é mais duvidosa)...Não sei se houve outros, mas os exemplos atrás mencionados parecem confirmá-lo. Assim, se algum grupo quiser alcançar a fama e a glória, é fazer as primeiras partes dos James, já que as probabilidades de êxito são grandes, mesmo nestes tempos de desmaterialização e "partilha" (o roubo) de música, em que já não se vendem milhões de CDs.

Em todo o caso, honra aos James, que continuam a lançar discos com regularidade, contra ventos e marés. Fiquem com um pequeno excerto do concerto que deram no átrio de S. Bento, entre azulejos que contam a história de Portugal e uma pequena multidão em delírio.

terça-feira, dezembro 13, 2016

Guterres na ONU


A 1 de Janeiro começarão os seus trabalhos na ONU. Mas aposto que esperava um mundo ligeiramente melhor quando se dispor a candidatar-se ao cargo de Secretário-Geral. E daí, talvez não: quem lidou com refugiados durante estes anos de chumbo talvez soubesse ao que vinha. Seja como for, não lhe gabo a sorte. Só lhe desejo as maiores felicidades.
 
Resultado de imagem para guterres onu
 
 

segunda-feira, dezembro 12, 2016

Pós-derby


E pronto, o fantástico JJ  lá voltou a perder na Luz (já não acontecia aí desde 2012). Até acho que o resultado mais justo depois de um jogo tão intenso seria um 2-2, com as diversas oportunidades do Sporting e o retraimento do Benfica, mas tudo o que enterre os planos do inenarrável Bruno de Carvalho merece a minha concordância.

Entretanto, parece que anda tudo furibundo com a arbitragem porque ficou um penalty (há quem diga dois) por assinalar contra o Benfica. Pois ficou, mas no ano passado, nos TRÊS jogos em que o Sporting nos venceu, ficaram sempre outros tantos por marcar a favor do Benfica (num deles até partiram o braço ao Luisão). Não se lembram? É natural, não andamos a choramingar esses erros pelo campeonato fora. Mas quando algo do género acontece ao Sporting, é um sem fi de acusações, recriminações, queixas e comunicados.

A vitória recoloca o Benfica a distância segura na frente e redime a semana anterior, ainda que o nível exibicional precise de melhorar - rodando mais a equipa com jogadores que precisam de ritmo, por exemplo. Já o Sporting, pelo contrário, teve a sua semana horribilis: saída definitiva das competições europeias, arquivamento pela UEFA da queixa dos vouchers contra o Benfica, derrota no derby, e até a equipa B perdeu contra a do Porto. Não admira: o Natal está quase aí. E há certas tradições que dificilmente mudam.


Ah, e há outras coisas que merecem ser vistas. As bancadas também o outro espectáculo, fora do relvado. É também disto que os clubes constroem a sua mística.

domingo, dezembro 11, 2016

Derby

 
Diz a vox populi,, não sei baseado em que mito futebolístico, que ganha o derby entre Benfica e Sporting a equipa que estiver pior. É difícil dizer qual das duas está em pior forma: depois de duas derrotas seguidas, uma num terreno onde normalmente vence e outra em casa, com uma boa mas não fantástica equipa, mostrando debilidades defensivas preocupantes, o Benfica apanha o Sporting numa altura delicada. Mas o adversário também deixa dúvidas: derrotado na Polónia pela pior defesa da Liga dos Campeões, arredado das competições europeias (de propósito?), e desgastado por uma noite no frio de Varsóvia e menos um dia de descanso que o Benfica, o Sporting também não está numa forma invejável. Por isso, qualquer previsão é temerária. Só desejo que Rui Vitória troque Luisão por Lisandro e Salvio por Rafa (ou Carrillo, que pode estar com pica por defrontar a antiga entidade patronal), para que as probabilidades de as coisas correrem melhor aumentarem. O resto é esperar que seja um bom e empolgante jogo, e que Bruno de Carvalho não fique satisfeito.  
 
Resultado de imagem para derby benfica sporting