sexta-feira, novembro 24, 2006

Don Duarte a a Democracia

Sobre o lançamento do livro de Mendo Castro Henriques, Dom Duarte e a Democracia, houve vários testemunhos, que se pautaram não apenas pela crítica ao conteúdo, mas sobretudo à estranheza ou à satisfação de se ver Manuel Alegre como convidado para a apresentação da obra, em Lisboa, no Espaço Chiado (no Porto a missão coube a Paulo Teixeira Pinto, assumidamente monárquico). Alguns podem ser vistos num post do Combustões. Corroboro, obviamente, a opinião de Miguel Castelo Branco. Já sabia que Alegre tinha um certo respeito pela ideia da monarquia, por tradição paterna, conquanto se declare sempre republicano e tenha sido candidato às últimas presidenciais. Mas o facto do autor do preâmbulo da CRP admitir um referendo sobre o regime não deixa de ter a sua importância, marca uma posição, e talvez seja uma porta aberta para a revogação do iníquo Artigo 288º - b. Que outros sigam os seus passos e percam os precnceitos herdados do 5 de outubro.
Ah, e o livro vale a pena, como biografia e como esclarecimento de algumas ideias preconcebidas.

4 comentários:

mch disse...

CAro João Pedro
Descobri seu blog e vejo o comentário aoi lançamento de meu livro. Já agora podia ser sportinguista... assim eram tudo princípios na mó de baixo. MAs um abraço pela sua defesa. O autor de DDD

João Pedro disse...

Caro Professor, muito me honra com a sua visita, mas julgo que já não é a primeira. Continuarei a seguir os seus escritos e o "Duas Cidades" com a atenção que me merecem. Está de parabéns pelo livro, que aliás despertou muitíssima atenção.
Quanto a ser sportinguista, é coisa que francamente não imagino.
A abraço é recíproco.

Unknown disse...

A verdadeira história desse Duarte está neste site www.reifazdeconta.com uma vergonha

João Pedro disse...

Vergonha maior é defender burlões sicilianos que aspiram ao trono portuguÊs por procuração de uma senhora tonta. Tenha juízo!