terça-feira, abril 25, 2023

Tudo para o Campo Pequeno, pá.

André Ventura vai organizar uma convenção com alguns parceiros e conhecidos, como Salvini e Bolsonaro, e escolheu para o evento o Campo Pequeno. Ou seja, vai cumprir o velho desejo de Otelo. Que estranha forma forma Ventura encontrou para comemorar o 25 de Abril.

sábado, abril 22, 2023

O primeiro ponto do Benfica em San Siro

Com o desvario das últimas semanas, fiquei bastante pessimista e não ando com grande vontade de falar sobre o Benfica. Do campeonato dado como ganho (também pelos adversários, não sejamos ingénuos) e da possibilidade de estar nas meias finais da Liga dos Campeões - ou até na final - depois de uma excelente competição ficou apenas uma vaga esperança em relação ao primeiro. Mas uma vantagem teve, aquele empate em S. Siro: permitiu ao Benfica pontuar pela primeira vez naquele estádio. Até porque pode também ser a última, já que há planos para em breve o demolir e construir um recinto novo em folha, mas sem a alma do actual Meazza, aposto. Note-se que o Benfica tinha perdido sempre lá mas nunca por números muito altos, incluindo uma final da Taça dos Campeões com este mesmo Inter, ou com o mesmo adversário, em 2004, um desaire por 4-3, num jogo emocionante mas frustrante, que acompanhei num jantar em Paris, numa altura em que não havia smartphones nem net à mão e ia sabendo aos poucos da marcha do marcador O resultado de hoje daria então para passar.

De qualquer forma, San Siro parece ter os dias contados, embora haja ainda dúvidas. A Catedrale poderá ser o novo ocupante do terreno. Até lá, mantenho a esperança de ir assistir a um jogo naquele magnífico estádio Meazza. 



sexta-feira, março 31, 2023

Desvarios do "nosso" jornalismo

Não resisto a este desvario do nosso jornalismo: a dada altura do jogo entre o Luxemburgo e Portugal, no último Domingo, que acabou com meia dúzia de "secos" infligida à equipa do grão-ducado, saiu um jogador luxemburguês com uma tatuagem de uma ave no pescoço. O comentador televisivo, de imediato, afirmou que era um sinal de pertença usar uma tatuagem "da águia do Luxemburgo".

Pena é que o símbolo do Luxemburgo seja um leão rampante e que a ave da tatuagem fosse uma coruja. É o que acontece quando os comentadores desportivos decidem encher chouriços durante a partida, desatando a inventar. Qualquer dia surge um jogador sportinguista com uma tatuagem de uma andorinha e há de aparecer alguém a referir-se à "águia do Sporting".



Ah, e claro, também houve isto. Se não conseguirem ver, é a página de Facebook de Ribeiro e Castro em que ele mostra uma reportagem na RTP-3 em que o ministro do Interior francês se refere à violência de grupos de "extrême gauche" e nas legendas aparece "grupos de extrema-direita". Julgo que podemos falar num pequeno finis hebdomadis horribilis ("fim de semana" em latim macarrónico) para o jornalismo português.

quarta-feira, março 22, 2023

Rui Nabeiro, o homem levou a prosperidade ao "interior profundo"

Agora que chovem os elogios e homenagens a Rui Nabeiro (na verdade sempre os houve e dificilmente se encontrará uma pessoa que reúna tantas opiniões favoráveis), deixo o meu, que aliás já há muito que defendo: com a expansão da Delta (ainda me lembro de o anunciarem no Programa Despertar, na Renascença, quando não era grande coisa, ao contrário de hoje), a manutenção da fábrica e da sede em Campo Maior com a consequência de ser o único município da região que manteve a população, bom era que houvesse mais meia dúzia de comendadores Nabeiros por esse interior raiano fora. A desertificação, a existir, seria muito mais atenuada. E não esquecer que o Alentejo profundo voltou a receber durante uns anos futebol de primeira divisão, um sonho possível com o meteoro Campomaiorense.



E para atestar a internacionalização da Delta, eis uma foto tirada (não muito bem, ao contrário do café) há uns dez anos em Veliko Tarnovo, Bulgária.



sexta-feira, março 03, 2023

O primeiro nevão do ano

Como parece que o Inverno ainda não acabou, ao contrário do que os optimistas pensavam em meados de Fevereiro, mesmo que estejamos no mês do seu fim, deixo aqui algumas recordações dos momentos mais frios, a 18 de Janeiro. As imagens foram tiradas na serra do Alvão, provando que não é só na serra da Estela que há neve.



Ao longe o monte Farinha, encimado pela Senhora da Graça, paragem obrigatória da Volta a Portugal, como uma ilha no meio de um oceano branco.












sábado, fevereiro 25, 2023

15 de Fevereiro de 2003

É certo que a efeméride que agora se comemora é outra, mas não queria deixar de recordar outra, mais antiga, que tem uma ténue ligação à da invasão da Ucrânia. Há pouco mais de uma semana passaram vinte anos sobre uma data que não teve grande eco nestes dias, mas que na altura não só era nota de primeira página como se tornou um marco da globalização. Refiro-me às enormes manifestações contra a invasão do Iraque, que acabaria mesmo por acontecer pouco mais de um mês depois, e que terão sido as primeiras realmente globais convocadas pela internet, ainda antes dos smartphones e das redes sociais, mas já com os blogues a despontar (e a dar-nos alguns dos melhores debates sobre a matéria).

O dia era 15 de Fevereiro de 2003. Tinham decorrido dez dias sobre o discurso de Colin Powell na Assembleia Geral das Nações Unidas, que, com a história das "armas de destruição maciça", tinha praticamente garantido que os Estados Unidos avançariam mesmo sobre Bagdade, assim cumprindo a primeira parte do plano contra o "Eixo do Mal" urdido pelos entusiastas neoconservadores, que na altura influenciavam decisivamente o Partido Republicano e a Casa Branca com a sua ideia de democratizar o Mundo e levar a pax americana a todo o lado nem que fosse à bomba (se bem que hoje, olhando para o GOP, quase tenha saudades deles). 

Apesar dos apoios, em especial dos tradicionais aliados dos EUA, começando pelo Reino Unido e Portugal e continuando pela "nova Europa", a reação seria dura, precisamente vinda da "velha Europa", com a França a liderar a oposição à guerra, secundada pela Alemanha, no que seria até uma mini-guerra cultural. Se uns chamavam contra os "belicistas" e "falcões", outros falavam em "covardia" e "anti-americanos" e acusavam a França de ser um país que estava habituado a render-se e que tinha sido graças aos EUA que a Europa se tinha livrado dos nazis (embora também se lembrasse com propriedade que os Estados Unidos deviam a sua existência à França pela ajuda decisiva na Guerra da Independência). O corolário dessa discussão seria a patética questão das "freedom fries", um nome aplicado efemeramente às "french fries", ou seja, às batatas fritas de palito, que algumas vozes mais com melhor memória lembraram ser belgas e não francesas (a isto se poderia chamar o síndrome Poirot).

E a 15 de Fevereiro, um Sábado, vieram as tais manifestações. Um pouco por todo o Mundo, mas particularmente na Europa e nos EUA, precisamente nos países cujos governos apoiavam a invasão. Socorrendo-me da Wikipedia, à falta de dados mais eficazes, a maior manifestação terá sido em Roma, com mais dois milhões de pessoas na rua, seguindo-se Madrid, Londres (ou seja, as capitais dos países que apoiavam a guerra), Berlim, Paris, etc. Um pouco menos participadas, as manifestações nos EUA tiveram ainda assim largas dezenas de milhar espalhadas por todo o território. Havia de tudo: anarquistas, artistas, freiras, estudantes, reformados, etc.



Curiosamente, o "resto do Mundo", que se deveria ter mobilizado mais contra a guerra, demonstrou uma tímida oposição popular. Na Rússia, que tentas vezes invoca esta invasão para se justificar, houve escassa oposição, na China nem houve, na Ásia, mesmo no Médio Oriente, e em África quase nem se viu. E se se pode sempre justificar com os regimes destes países, repare-se que no Brasil, de onde tenho visto críticas à "hipocrisia dos europeus", estiveram pouco mais manifestantes do que em...Malta.


Em Portugal também as tivemos. Na de Lisboa pontificava Mário Soares, ao lado de oitenta mil pessoas. No Porto bastante menos, cerca de cinco mil. Lembro-me de ir a essa, com epicentro na Praça dos Poveiros, por oposição à guerra mas também por alguma curiosidade sociológica. Por uma vez, Ferro Rodrigues estava carregado de razão: na véspera, o então secretário geral do PS declarara que embora estivesse totalmente contra a guerra, não iria apoiar oficialmente a manifestação (embora não estivesse contra) porque certamente haveria gente que aproveitaria para branquear o regime de Saddam Hussein. Dito e feito: entre os oradores, não faltaram aqueles que, claramente ligados ao PC, diziam conhecer o Iraque, afirmavam não haver quaisquer perseguições políticas e que Saddam o tinha transformado num país próspero e dinâmico. Ainda houve outras diatribes semelhantes, com discursos pró-Palestina e alguma propaganda, essa sim, anti-americana, como cartazes com insultos à porta do McDonalds por jovenzinhos anticapitalistas de ar pouco cuidado. Mas não dei a tarde por perdida. A causa fundamental era nobre e até reencontrei a minha velha professora da 1ª classe, que me ensinou a ler.

Esse dia ficaria na história, como disse, como o primeiro e provavelmente maior, até agora, manifestação global da História. Acho estranho não ter sido mais recordada, embora tivesse deixado claras sementes, e até Ian McEwan escreveu um romance, Sábado, baseado nesse dia. Mas achei importante recordá-lo, não apenas pelo momento em si mas pelo actual. É que tenho ouvido muito boa gente dizer que o Ocidente apoiou todo a Invasão ao Iraque, e que particularmente os europeus são "hipócritas" porque reclamam conta a invasão da Ucrânia e apoiaram a do Iraque. Pois este dia 15 de Fevereiro de 2003, e não só, prova que isso é mentira. É mesmo o contrário. Vai-se a ver e a França, o estado francês, opôs-se-lhe bem mais do que a Rússia e a China e os europeus manifestaram-se em massa contra a guerra, em claro contraste com a inacção de chineses, russos, brasileiros, indianos e do resto do mundo em geral. Houve muito mais indignação popular na Europa e nos Estados Unidos do que naqueles que agora se recusam a condenar a invasão da Ucrânia com a tese da invasão do Iraque (como se uma impedisse a outra, e aí está Sean Penn a prová-lo). E por cá, o PCP bramia contra a invasão de Bush mas vem sonsamente acusar a NATO de ser culpada da guerra na Ucrânia e Zelensky de ser "antidemocrático" e outras coisas que nunca disseram de Saddam. Por isso, quando ouvirem alguém com esta conversa desmemoriada e ignorante (ou de má fé) sobre a "hipocrisia dos europeus" e os "dois pesos e duas medidas" entre a invasão do Iraque e a da Ucrânia, recordem-lhes isto e mostrem que não eles têm qualquer moral para invocar whataboutismos falsos. A memória do 15 de Fevereiro cá está para lhos recordar.

segunda-feira, janeiro 30, 2023

Em memória atrasada de Mikhail Gorbachov

O mês de Janeiro de 2023 já vai a caminho do fim, em que parece que andei nos momentos e regiões certas atrás das intempéries, como a de Ano Novo no Alto Minho, a do segundo fim de semana no Porto e a da terceira semana nas terras altas transmontanas. E apesar disso, ainda fiquei com assuntos pendentes de 2022.

Uma das coisas que se menciona sempre no ano que acaba é o da necrologia. E esta esteve em destaque em 2022. A quantidade de personalidades de relevo internacional que nos deixaram é enorme. Talvez a que mais sensação tenha causado tenha sido Isabel II, que parecia eterna, e já mesmo no caír do ano deixaram-nos Pélé, provavelmente a maior lenda do futebol de sempre, e o Papa Bento XVI, cujo estado de saúde já declinava há bastante tempo. Uma rainha, um rei e um Papa, portanto.

Há muitos anos, na década de noventa, o Expresso lançou um destacável com mil figuras de relevo do século XX para celebrar a sua milésima edição. O primeiro capítulo tinha cinquenta personagens consideradas as mais relevantes do século. Duas delas morreram em 2022. Pélé era uma delas. A outra era Mikhail Gorbachov.

Gorbachov deixou-nos nos últimos dias de Agosto, enaltecido pelas democracias liberais e ignorado ou desdenhado pela sua Rússia. Putin deixou umas palavras de circunstância, apenas porque tinha de ser. O homem que tentou dar um rosto humano à URSS (literalmente, bastava olhar para ele e comparar com as faces patibulares ou caninas dos outros apparatchiks) e um rumo àquele sistema bloqueado e sem saída acabou por derrubar o regime e a próprio União Soviética. Pelo meio, assinou com os EUA o tratado de não proliferação de armas nucleares, o que causou o degelo nas relações entre blocos, aliviando o "equilíbrio pelo terror" e acabando efectivamente com a Guerra Fria. Rasgou a "Doutrina Brejnev", substituindo-a pela "Doutrina Sinatra", escusando-se a intervir nos países do Pacto de Varsóvia, cujos povos aproveitaram a oportunidade para derrubar os muros e respectivos regimes, já sem a ameaça de intervenção soviética. E internamente, também os integrantes da URSS começaram a questionar-se e a declarar a autonomia, começando pelo Báltico. O fim da Guerra Fria permitiu igualmente que do outro lado os EUA deixassem de apoiar certos cães de fila, o que originou, entre outras coisas, o fim da regime do Apartheid na África do Sul e a libertação de Nelson Mandela, a saída de Pinochet dos comandos do Chile e o fim da guerra civil em Angola (por pouco tempo) e Moçambique.



Poucos homens estiveram na origem de mudanças tão drásticas e radicais, mesmo que a intenção inicial não fosse essa. O problema é que internamente elas resultaram na implosão de um sistema que era totalitário, desumano e falhado, mas que deu lugar a anarquia, pobreza e violência extremas. Não era isto que realmente Gorbachov e os russos desejariam, mas acabou por ser o resultado, de tal forma que no fim da década de noventa colocaram um tal Vladimir Putin à frente dos destinos do país.

A morte de um ser desta dimensão nunca é positiva, mas o desaparecimento de Gorbachov ocorreu na pior altura possível, precisamente quando o regime vigente na Rússia está mais tirânico do que nunca desde Tchernenko - ou seja. a URSS pré-Gorby - e representa exactamente o contrário do que o último líder soviético representava: autoritarismo, corrupção, opacidade, militarismo e ultranacionalismo. E a tentativa de reversão das independências obtidas à época, com a brutal invasão à Ucrânia, depois de se ter mutilado a Geórgia e a própria Ucrânia.

Porque a morte de Gorbachov em Agosto levou-me a outro Agosto, o de 1991, em que fora vítima de um golpe de estado dos últimos defensores do regime soviético puro e duro. Recordei-me das imagens dos russos manifestando-se em Moscovo, de Ieltsin em cima de um tanque, com a Duma (a mesma que ele mandaria atacar dois anos depois) em fundo, a conferência de imprensa da junta golpista num anfiteatro de dimensão estalinista (diz-nos José Milhazes, então presente, que o primeiro-ministro Valentin Pavlov estava ausente porque não tinha recuperado de uma bebedeira na véspera), e a cara de fuinha do auto-proclamado presidente, Yanayev, e depois o falhanço do golpe e o regresso de um Gorbachov pálido mas aliviado. Vi tudo isso num mês em que não podia fazer muito mais porque decidi partir uma perna logo no último dia de Julho, o que constituiu um rude golpe nesse meu começo de adolescência.



E também nesse Agosto, aproveitando o fiasco do golpe, o que restava de facto da URRS ruiu. Lembro-me das imagens do anúncio do fim do regime comunista e em simultâneo da restauração da bandeira russa. Pensei até há pouco tempo que tivesse ocorrido no dia dos meus anos, mas afinal é de dois dias antes, 22 de Agosto. Em contrapartida, fiquei a saber há pouco tempo, por causa da guerra em curso, que a Ucrânia tinha como dia da independência precisamente o 24 de Agosto (de 1991). Assim, eu e a Ucrânia fazemos anos no mesmo dia. Como não poderia apoiar a causa da sua independência?

Gorbachov deixou-nos no mesmo mês - mas em ano diferente - em que as suas reformas e a reação às mesmas precipitaram tudo aquilo que era impossível manter. Que a sua memória seja no futuro tão favorável como a dos povos que graças a ele ganharam a sua liberdade.

domingo, janeiro 22, 2023

Dezanove anos

 



Este blogue completou a 16 de Janeiro 19 anos. É pois um blogue adulto, mas numa idade algo instável e indolente. Não sei se alguém reparou, mas alguns posts foram acrescentados nos últimos tempos já depois dos acontecimentos a que se referiam. Eram rascunhos que não tinham sido editados ou acabados, e que fui actualizando tardiamente. 2022 representou o ano de menor productividade desta página. E este é o primeiro post de 2023, passado mais de meio mês. Mas se o blogue está preguiçoso, não deixa de estar vivo. Mais textos virão, espero que devidamente actualizados. Bem hajam os que ainda cá vêm.

segunda-feira, dezembro 19, 2022

A final

 O Mundial não terá sido memorável por inúmeras razões, mas a Final deve ter sido a melhor desde 1986, e com o mesmo vencedor. Diga-se o que se disser, os argentinos, quando estão bem, trazem emoção e garra ao futebol. E ganharam com mérito (sim, alguns não souberam ganhar, mas não foram os únicos).

Estaria até há dias mais pela França, mas o facto de já serem campeões mundiais em título - ainda por cima com um conjunto muito parecido com o actual - levou-me a apoiar os albicelestes. Há, claro, o facto de haver jogadores benfiquistas no onze, que assim se tornaram os primeiros campeões do Mundo a jogar em Portugal ao tempo da conquista do troféu. Além do mais, esta era uma oportunidade que a Argentina tinha e que dificilmente se repetirá nos próximos anos. Se não ganhassem agora, sabe-se lá quantas mais décadas teriam de esperar. Sim, porque quando Messi se retirar, a selecção argentina será apenas mais uma boa equipa, mas sem nada de transcendente. Já a França irá por certo dominar o futebol na próxima década.

Assim, fica o título bem atribuído. Na disputa para ver quem ficava com a terceira taça, os sul-americanos levaram a melhor aos franceses, mas algo me diz que estes vão conseguir a tripla num dos próximos mundiais, salvo que questões internas de balneário os impedir.







sexta-feira, dezembro 16, 2022

O culto fanático a CR7

Nos últimos dias, mais precisamente no rescaldo da eliminação da Selecção Nacional aos pés de Marrocos, dir-se-ia que boa parte dos país está tomado pelos espírito das manas Aveiro. Parece que o facto de Cristiano Ronaldo não ter sido titular nos últimos dois jogos da Selecção é um crime de lesa-Deus. Da primeira (e tardia) vez que Fernando Santos o colocou no banco, chamaram ao treinador de poltrão para baixo, ingrato, traidor, falso amigo e em certos casos, como nos comentários a este post do JPT, insinuaram que tinha sido pago para o fazer. Não, não se trataram de críticas normais a opções do treinador, mas acusações de um autêntico crime, como "impedi-lo de atingir o recorde de golos de Eusébio num Mundial". E para todos os que ousaram, já nem digo criticar CR7 pelas suas atitudes recentes, mas apenas compreender a posição de Santos, também ouvi coisas como "invejosos", ingratos", etc.

 
Tudo isso porque Ronaldo é "um deus", o Maior do Mundo", "maior que este país de invejosos que tudo lhe deve", e que "já deu milhões a hospitais e a obras de caridade". Isto são meros resumos de tudo o que tenho lido. Houve mais, muito mais, como compete a qualquer fanatismo que não admite réplica.
 
Não tenho a menor dúvida de que Ronaldo é um homem não só com um talento raro e um desportista inacreditável mas também uma determinação que ultrapassa o absurdo. Que há um antes e um depois de CR7 para a Selecção, a começar pela conquista do Euro 2016. Que deu muito a Portugal, incluindo beneficência. E que, com Messi, é o melhor futebolista dos anos 2010, talvez do Séc. XXI até agora.
 
Só que não é uma divindade nem maior que o país. Se deu muito a Portugal, Portugal também lhe retribuiu. Ronaldo há não sei quantos anos que não ia ao banco da Selecção e só esteve ausente uma vez A SEU EXCLUSIVO pedido. Está sempre debaixo dos holofotes da imprensa, assim como a sua família, cujos méritos desconheço. Participou em inúmeras campanhas publicitárias, certamente rentáveis. Recebeu todas as homenagens possíveis e imagináveis. E já agora, sabem de muitos casos de aeroportos ou estátuas em vida dos homenageados, para mais aos trinta e tal de idade? 
 

22406534_bLMPu.jpeg

 
CR7 tem inúmeras qualidades mas também imensos defeitos, por muito que isso custe aos fanáticos. Tem tido uma época péssima, com pouquíssimos golos, que era o que ele fazia melhor. Tem quase 38 anos. Neste momento não é de todo o "Melhor do Mundo", nem da Europa nem sequer da Selecção. E tem tido um comportamento na equipa no mínimo dúbio, parecendo estar à parte; acima de tudo faltou ao respeito ao treinador quando saiu no jogo contra a Coreia. Se já havia razões para não o pôr a jogar, essa era a maior de todas e absolutamente inatacável. Ronaldo não pode ser um exemplo se começa com má-criações dignas de miúdos birrentos. Se Fernando Santos não o tivesse tirando do banco, aí sim, haveria razão para críticas a um treinador que não se sabia dar ao respeito. E essa opção é, ao contrário do que a histeria propalou, um sinal de coragem. Uma das poucas que Santos teve nos últimos anos. De resto, viu-se o efeito contra a Suíça, da mesma forma que nada mudou quando entrou contra Marrocos.
 
Por isso, a histeria ronaldística é totalmente injustificada. Se Ronaldo está psicologicamente em baixo por razões familiares, então é mais uma razão para não ser titular. Se é pelas suas acções de beneficência, nesse caso qualquer milionário septuagenário que dê mundos e fundos a boas obras merece ser convocado (não é muito diferente das indulgências pela salvação das almas que levaram à revolta de Lutero, pois não?). Se é para bater recordes, disso já ele tem muito e inverter-se-ia a lógica de que os jogadores devem estar ao serviço da Selecção e não esta a servir um determinado jogador. Se acham que dizer isto é ser "ingrato", "poltrão", "invejoso", etc, eu devolvo: não queriam fazer as mesmas figuras dos tontos da "Igreja Maradoniana" com um culto idêntico numa qualquer "igreja cristianornaldiana". Todos estes episódios serão esquecidos e CR7 ficará na história, mas não façam deste atleta excepcional a divindade que não é.

5cba61548be3d.r_1555765973810.0-0-600-300.jpeg